Como Saber Se Minha Ideia é um Negócio ou uma Furada?

ideia em negocio

De repente, do nada, você tem uma ideia que acha que pode virar um negócio. Fica empolgado e começa a falar para sua família e seus amigos. E já começa a imaginar como será sua vida de empreendedor: sem chefe, com flexibilidade de horário, só fazendo o que gosta, mais tempo para a família. Mas será que a sua ideia é um negócio, realmente, ou é uma furada? Neste artigo eu coloquei algumas dicas para te ajudar a decidir.


Em outro artigo eu falei sobre como você pode usar os talentos que já possui para encontrar um ‘bico’ e ganhar dinheiro para pagar as contas. Agora eu vou te mostrar como verificar se este ‘bico’ pode virar um negócio rentável. Se ainda não leu, clique aqui. Sugiro faça isso, pois este artigo é a continuação daquele.
Muitas pessoas acreditam que um negócio de sucesso deve começar com uma ideia única e inovadora, algo que ninguém tinha pensado antes. Mas isso é mito. O que caracteriza uma boa ideia é ela ter potencial para resolver um problema ou facilitar a vida das pessoas. Exemplos recentes disso são o Uber e o Airbnb.
Mas como saber se a sua ideia é um negócio que preenche esses requisitos? Veja a seguir.

____________________________________________

Você quer abrir seu próprio negócio, conquistando mais qualidade de vida e retorno financeiro, mas tem MEDO de largar seu emprego?  

Clique AQUI e baixe GRATUITAMENTE 

o Ebook “7 Passos Para Começar Seu Negócio Antes de Sair do Emprego”

____________________________________________

Testando: você quer trabalhar com isso todos os dias?

transformar minha ideia em negocio

A primeira reflexão que você deve fazer, por mais empolgante que a sua ideia seja, é: você quer dedicar sua vida, seu tempo, sua saúde, finais de semana, lazer e diversão para fazer isso dar certo?
Como assim Eduardo?
Lembra daquele cliché: empreender é 1% inspiração e 99% transpiração?!
Ou seja, sua ideia até pode ser ótima. Mas isso não significa nada. Transformar essa ideia em um empreendimento exigirá muito trabalho e várias competências e habilidades para conseguir fazer isso direito.
Por isso é tão essencial que a sua ideia envolva algo que você seja apaixonado por fazer, que possibilite exercitar seus talentos e que esteja alinhada à sua personalidade, aos seus gostos e aos seus valores.
Gostar não basta. Senão, nas primeiras dificuldades você corre o risco de desanimar. Até porque, no início, você vai trabalhar no estilo ‘EUpresa’ onde fará um pouco de tudo. E se esse ‘tudo’ for composto por muitas atividades que não são prazerosas, você não se sentirá motivado a continuar por muito tempo.

Por isso o primeiro passo é você testar sua ideia, como falei no artigo anterior, em forma de ‘bico’, oferecendo seu serviço ou produto para família, amigos e conhecidos. Depois que já estiver familiarizado com a rotina necessária, imagine como seria trabalhar TODOS os dias com isso.

Por exemplo, se você for um engenheiro desempregado, pode dar aulas de reforço de matemática para adolescentes. A partir daí, poderia evoluir para um site de reforço escolar para alunos do Ensino médio do Brasil inteiro. Mas só irá funcionar se você gostar de ensinar e da companhia de pessoas dessa faixa etária, percebe?!

O objetivo aqui é você experimentar enquanto ganha dinheiro para pagar suas contas.

Liste pelo menos 5 trabalhos que você adoraria desenvolver e separe um tempo para se dedicar a cada um deles. Enquanto estiver trabalhando, preste muita atenção em tudo o que sente, nos detalhes das atividades desenvolvidas, na rotina, sempre imaginando como seria montar um negócio sobre aquilo.

Você também pode fazer isso se estiver empregado. Pegue uma semana de férias e se voluntarie para trabalhar com os itens que listou. Ou tire uma licença não remunerada do seu emprego e arranje um trabalho temporário.

Neste caso, você pode começar fazendo freelas nos fins-de-semana ou a noite até sentir que é o momento de pedir demissão.

Durante e depois desses experimentos é importante você refletir. Procure perceber se existe paixão suficiente para estudar e trabalhar horas seguidas nesse assunto. Se seus clientes são o tipo de pessoa com quem você gosta de conviver.

Anote quais atividades em que você ficou tão envolvido a ponto de perder a noção do tempo, empregando suas melhores habilidades. Com isso em mente, após cada experiência, faça perguntas para você mesmo:
Qual dessas experiências me deu mais prazer?

Qual me deixou entusiasmado?

Como essas experiências foram diferentes daquilo que eu imaginava?

Após analisar as respostas, escolha uma delas e passe para os próximos passos.

Converse com seus ‘potenciais clientes’

pesquisa de clientes

Agora que você já tem uma ideia de negócio, precisa validá-la. Quem vai dizer se o seu produto ou serviço é bom é o seu cliente. Você deve conversar com seus ‘clientes potenciais’, ou seja, comseu público-alvo.
Pergunte sobre os problemas que eles enfrentam e, na opinião deles, qual seria a melhor solução. Pergunte como eles resolvem esses problemas hoje, e se comprariam a sua solução. Ao ouvir uma resposta negativa, pergunte os motivos.
Compare as respostas com o que você deseja oferecer. Perceberá os aspectos que irão funcionar e aqueles que precisarão ser melhorados.
Lembre-se que essas conversas não são vendas e sim uma validação. Portanto, você deve ouvir muito mais do que falar, sempre buscando extrair das conversas o máximo de aprendizado sobre as necessidades e a realidade dos seus potenciais clientes.
Uma das conclusões que você tem que chegar é se as pessoas pagariam para você resolver o problema delas e se o seu produto ou serviço solucionará essa dor de uma forma melhor do que as soluções existentes.
Para sua ideia virar um negócio essa etapa é fundamental. Ela requer muita pesquisa e pouco investimento, mas é justamente onde a maioria das pessoas falha, seja por vergonha, preguiça ou falta de conhecimento.
Dependendo dos resultados obtidos, você pode concluir que existe a necessidade de estudos mais detalhados e aprofundados, como uma pesquisa de Mercado mais ampla ou testes em laboratório.

Conclusão

Bom, se você concluiu as etapas acima, agora você terá, no mínimo, o esboço do seu produto ou serviço. Mas esse é só o começo. Porque você ainda não tem um negócio. Seu próximo desafio será construir em torno dessa solução um modelo de negócios que funcione, com os canais certos para divulgar e captar clientes de modo lucrativo.
Outro desafio que você irá enfrentar são as suas emoções. Iniciar o seu próprio negócio, mesmo em torno de uma paixão, é como embarcar em uma montanha-russa emocional, entre altos e baixos – o tempo todo.
Você deve estar bem preparado emocionalmente e, principalmente, ter persistência e resiliência para enfrentar as dificuldades.
Eu costumo dizer que ao empreender nossos limites são testados todos os dias. Você terá mudanças de humor constantes, sua autoestima e confiança serão desafiadas e você pensará, várias vezes, se está no caminho certo.
Mas isso é assunto pra outro artigo 😉

____________________________________________

Aprenda como evitar ERROS MAIS COMUNS dos empreendedores

de primeira viagem.  

Clique AQUI e baixe GRATUITAMENTE 

o Ebook “7 Passos Para Começar Seu Negócio Antes de Sair do Emprego”

____________________________________________

Coach Eduardo Corrêa

Master Coach de Carreira pelo Instituto MS de Coaching de Carreira. Personal and Professional Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching, formação certificada internacionalmente pelo BCI. Practitioner em Programação Neurolinguística pelo INAp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *